Comerciantes afirmam que fluxo de pessoas diminui em Picos por prevenção ao COVID-19

0
Comerciantes afirmam que fluxo de pessoas diminui em Picos por prevenção

A crise pandêmica do Coronavírus, além da saúde humana, impactou o comércio de grãos, carnes, frutas e verduras, e nos mais diversos segmentos devido ao controle dos órgãos de saúde que regem o fechamento de fronteiras e diminuição do fluxo de pessoas em locais públicos e privados como terminais, aeroportos, centros comerciais, entre outros.

Em Picos, cidade situada há 310 quilômetros de Teresina, os comerciantes já sentem os impactos quando o assunto é fluxo de pessoas nas ruas e nos estabelecimentos comerciais. No segmento de carnes, verduras e frutas os sinais da crise gerada pelo COVID-19 começam a ser vistos, pois já é possível notar diminuição da procura por parte dos consumidores que evitam sair de casa devido às recomendações dos órgãos de controle.

O comerciante no ramo de frutas e verduras, Francisco Moura, proprietário de ponto comercial na feira livre de Picos, disse que já é perceptível a redução do movimento nas ruas. Por conta da pandemia do COVID-19, a população segue as recomendações e evita o máximo sair às ruas, o que consequentemente atinge as vendas.

“As pessoas ficam com medo de sair por ver os comentários e notícias da televisão e o fluxo fica pouco. Muita gente segue as recomendações, tem medo e isso acaba atrapalhando nas vendas”, relatou o feirante.

Francisco Antônio de Sousa, conhecido como Francisco do Frigotil, empresa do ramos de carnes e frios, também sente a diminuição do fluxo de pessoas nas ruas de Picos. “A gente percebe que nos últimos dias e nas últimas horas diminuiu o fluxo de clientes no comércio e a quantidade de pessoas nas ruas. Isso afeta de certa forma. A venda de produtos, em geral afetou um pouco porque as pessoas estão obedecendo os conselhos dos órgãos da saúde”, comentou.

Além de carnes e demais itens, o Frigotil comercializa também álcool em gel e devido a grande procura, como forma de prevenção ao Coronavírus, mediante recomendação dos órgãos de controle, aumentou consideravelmente. O resultado foi o esgotamento do estoque. “Nos últimos dias vendemos muito rápido e acabou o estoque”, concluiu.

Fonte: Cidades na Net

Deixe uma resposta