Temporal que caiu em Picos pode ter atingido 100 milímetros, diz coordenador do INMET

0

O período chuvoso na cidade de Picos, causa transtornos anualmente à população. As ruas ficam alagadas, as residências construídas em cima de morros, desabam, ou ameaçam cair. Na quarta-feira, 08, a estação do município, registrou apenas 6 milímetros de chuva, mas o coordenador regional do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), Eugenio Lopes, diz que visualmente, o número pode ter chegado a mais de 100 milímetros.

Chuva alagou a BR 316 em Picos – Fotos aéreas: Paulo Pshysio

“Alguns curiosos com pluviômetros mediram de 40 a 45 milímetros, mas no bairro Junco, na Universidade Federal do Piauí, onde fica a estação, caiu apenas 6 milímetros. Pela avaliação visual, aonde ela se projetou e começou a cair, foi chuva para mais de 100 milímetros. Essa foi a razão de chegar essa tromba d´água que atravessou a BR, causando um grande alagamento envolta do Fórum. Mas para o INMET, o que vale, é o que fica registrado na estação”, explica Eugenio Lopes.

O meteorologista Werton Costa, acrescenta que para os próximos dias o esperado é que se mantenha o quadro de umidade relativa do ar favorável. O que vai possibilitar mais chuvas, por isso, é importante ficar atento aos alertas diariamente.

Picos não tem mais pontos de alagamentos 

Sobre os estragos causados pela chuva, que deixou vias interditadas e abriu buracos por conta do volume d’água, o secretário de Trânsito dos municípios de Picos, Edilberto Cirillo, informou ao O Dia que os problemas já estão sendo solucionados.

Segundo ele, o trecho próximo à Igrejinha do Sagrado Coração de Jesus, no Centro da cidade, que havia cedido, já foi liberado. No local, está sendo feita uma obra do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Já a rua Monsenhor Hipólito, no bairro Canto da Várzea, deverá ser liberada até o final do dia.

“O nosso problema foi no trecho da obra do DNIT e outro ponto que foi causado por causa da obra de dois supermercados, mas não temos mais nenhum ponto de alagamento na cidade”, afirma o secretário, acrescentando que a Prefeitura Municipal continua vistoriando todos os trechos afetados.

O secretário afirma ainda que o trabalho preventivo para evitar alagamentos na cidade iniciou em julho do ano passado, por meio da desobstrução de caneletas e bocas de lobo. ” Esse trabalho já tinha sido feito e todos os locais onde a gente costumava ter problema, não tivemos problema ontem”, finaliza.

Por: Sandy Swamy e Nathalia Amaral – O Dia

Deixe uma resposta